H1N1: Até o momento, Itajubá não possui casos confirmados da doença

No Rating

A Prefeitura de Itajubá informa que não há casos confirmados de pessoas contaminadas pelo vírus da gripe Influenza tipo A ou gripe suína (H1N1) no município e que também não há casos de óbitos causados por H1N1.

O exame laboratorial para identificação do H1N1 é feito a depender da gravidade do caso, após exame clínico e se o paciente estiver internado. A pessoa chega ao hospital, é diagnosticada clinicamente e o setor de Epidemiologia da Secretaria Municipal de Saúde é acionado. A equipe da Semsa vai até o paciente, colhe o material para o exame, e a amostra é levada imediatamente para análise laboratorial em Belo Horizonte. O resultado do exame, que não tem custo para o paciente, é utilizado para fins estatísticos e de registro. O exame não tem custo para o paciente.

Quanto à informação de que existe um caso de falecimento por H1N1 em Itajubá, a assessora Kellem Gonçalves, ressalta que ainda não há caso de óbito confirmado. Ela explica ainda que, como o município não é considerado endêmico, ou seja, não há surto de H1N1, a campanha de vacinação não será antecipada. – Começaremos a vacinar grupos de risco. Na segunda-feira, dia 18 de abril, iniciamos a vacinação no Lar da Providência e em outras associações; e vacinaremos também os profissionais da Saúde -, informa. A campanha de vacinação começará no dia 30 de abril, em todos os postos de saúde do município, e terminará no dia 20 de maio.

Sobre a doença

O H1N1 é uma doença causada por uma mutação do vírus da gripe. Também é conhecida como gripe Influenza tipo A ou gripe suína, pode levar à morte. A gripe causada pelo vírus H1N1 é uma doença respiratória aguda, altamente contagiosa. Como na gripe comum, o contágio entre as pessoas ocorre através de secreções respiratórias, como gotículas de saliva ao falar, espirrar ou tossir. Após contato com vírus, o indivíduo pode levar de um a quatro dias para começar a apresentar os sintomas da doença. Esses sintomas são semelhantes ao da gripe comum. O indivíduo afetado pode ter início abrupto de febre alta associado à tosse, dores musculares e nas articulações (juntas), dor de cabeça, prostração, coriza, garganta inflamada, calafrios e, às vezes, vômitos e diarreia. A doença pode evoluir para falta de ar e insuficiência respiratória seguida de morte. Contudo, a grande maioria dos casos evolui espontaneamente para cura sem apresentar complicações.

A vacinação contra influenza é destinada a alguns grupos prioritários, como crianças de 6 meses a 5 anos, gestantes, mães que tiveram bebês em até 45 dias pós-parto, idosos, profissionais da saúde, povos indígenas e pessoas portadoras de doenças crônicas e outras doenças que comprometam a imunidade. As pessoas portadores de doenças crônicas necessitam apresentar atestado médico para serem imunizadas, conforme determinação do Ministério da Saúde.

Fonte: Site da Prefeitura Municipal de Itajubá – www.itajuba.mg.gov.br